facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Independência dos tribunais não deve ser apreciada pelo TC

joana marques vidalA Procuradora Geral da República explicou que entendeu não submeter à fiscalização do TC a matéria referente à independência dos tribunais.

Joana Marques Vidal justificava, desta forma, a decisão de não enviar para o Tribunal Constitucional o pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade do Orçamento do Estado para 2013 apresentado pelos juízes. A Procuradora alega que a maior parte das questões suscitadas pelos juízes já estava incluída nos pedidos de fiscalização anteriores (Cavaco Silva, oposição e Provedor de Justiça) e que de fora ficou apenas a questão da independência dos tribunais. Os juízes diziam que esta estava em causa com a redução dos salários.

"Quanto à matéria não abrangida, procede de uma compreensão do conceito de "independência" dos tribunais e dos juízes que, apesar do interesse subjacente ao aprofundamento teórico e conceptual da matéria, que importará continuar a debater noutros contextos, se configura como de discutível acolhimento constitucional neste momento e nesta sede", lê-se num comunicado enviado às redacções esta tarde pela PGR.

Joana Marques Vidam faz, contudo, questão de frisar que "o pedido formulado pela ASJP apresenta ponderosos motivos de reflexão sobre o estatuto constitucional da magistratura judicial e da sua relação com o poder político". Mas lembra que "quanto aos aspectos de juridicidade, todas as normas e fundamentos invocados já estão submetidos, quase na íntegra, à apreciação do Tribunal Constitucional, no processo de fiscalização de constitucionalidade sucessiva, abstracta, em curso".

"Por conseguinte, uma vez que os interesses fundamentais do caso já foram aduzidos e serão, por isso, analisados pelo Tribunal Constitucional, não se afigura processualmente útil vir reiterar os mesmos, autonomamente, no processo de fiscalização da constitucionalidade em curso", conclui Joana Marques Vidal.

in Económico | 24-01-2013 | Inês David Bastos

Também com interesse
Quase 500 falsos advogados investigados em dois anos
Nos últimos dois anos foram quase 500 os casos de falsos advogados investigados pelos Conselhos Distritais da Ordem dos Advogados, avança esta segunda-feira o Diário de Notícias (DN).
OE2014: Parlamento deverá aprovar hoje segundo orçamento retificativo do ano
A governante assegura ainda que “não serão os contribuintes a pagar” a resolução do BES.
Organismos públicos têm até ao final do dia para divulgarem salários e suplementos
Os serviços e organismos, as empresas públicas, reguladores e fundações têm até ao final desta segunda-feira para enviarem ao Governo o formulário com os salários, suplementos e regalias pagas aos seus trabalhadores. A obrigação está previ
Pensionistas em vias de sentirem verdadeiro impacto da CES
Os pensionistas da Segurança Social vão ficar a saber já esta semana, quando receberem a sua pensão, qual é o impacto dos novos cortes aplicados através da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES), de acordo com o Diário Económic
Insolvências europeias passam a ter novas regras
Os processos de insolvência que envolvam dois ou mais países da União Europeia passam, a partir de hoje, a estar sujeitos a um novo enquadramento legal.
Trabalhadores podem exigir férias extra a partir de amanhã
Decisão do TC também obriga a repor descanso devido por horas extra prestadas desde Agosto de 2012
35 horas: Governo só deixa trabalhar menos as câmaras que tiverem contas certas
Proposta do Governo defende que as autarquias que tenham as contas em ordem e que não aumentem as despesas com pessoal podem reduzir a semana de trabalho das 40 para as 35 horas. Autarcas contestam.
Público: Governo quer pôr a funcionar cobrança de multas nos transportes
O Fisco vai continuar a ser responsável pela cobrança das multas dos transportes, mas o sistema vai ser revisto e melhorado. Há dois anos que as multas não são cobradas e há cerca de 30 milhões de eu

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro