facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Independência dos tribunais não deve ser apreciada pelo TC

joana marques vidalA Procuradora Geral da República explicou que entendeu não submeter à fiscalização do TC a matéria referente à independência dos tribunais.

Joana Marques Vidal justificava, desta forma, a decisão de não enviar para o Tribunal Constitucional o pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade do Orçamento do Estado para 2013 apresentado pelos juízes. A Procuradora alega que a maior parte das questões suscitadas pelos juízes já estava incluída nos pedidos de fiscalização anteriores (Cavaco Silva, oposição e Provedor de Justiça) e que de fora ficou apenas a questão da independência dos tribunais. Os juízes diziam que esta estava em causa com a redução dos salários.

"Quanto à matéria não abrangida, procede de uma compreensão do conceito de "independência" dos tribunais e dos juízes que, apesar do interesse subjacente ao aprofundamento teórico e conceptual da matéria, que importará continuar a debater noutros contextos, se configura como de discutível acolhimento constitucional neste momento e nesta sede", lê-se num comunicado enviado às redacções esta tarde pela PGR.

Joana Marques Vidam faz, contudo, questão de frisar que "o pedido formulado pela ASJP apresenta ponderosos motivos de reflexão sobre o estatuto constitucional da magistratura judicial e da sua relação com o poder político". Mas lembra que "quanto aos aspectos de juridicidade, todas as normas e fundamentos invocados já estão submetidos, quase na íntegra, à apreciação do Tribunal Constitucional, no processo de fiscalização de constitucionalidade sucessiva, abstracta, em curso".

"Por conseguinte, uma vez que os interesses fundamentais do caso já foram aduzidos e serão, por isso, analisados pelo Tribunal Constitucional, não se afigura processualmente útil vir reiterar os mesmos, autonomamente, no processo de fiscalização da constitucionalidade em curso", conclui Joana Marques Vidal.

in Económico | 24-01-2013 | Inês David Bastos

Também com interesse
O que muda nas pensões do Estado
Conheça as novas regras da Lei da Convergência.
Protecção de Dados reavalia e-factura após queixas de contribuintes
Comissão Nacional de Protecção de Dados fez averiguação ao acesso a dados fiscais do primeiro-ministro, mas as conclusões só deverão ser comunicadas dentro de dias. Falta de lei que regule trata
Governo não vai alterar regime jurídico do trabalho portuário
"Não, não vamos alterar a lei do trabalho portuário [Lei n.º 3/2013]. O Governo não vai alterar a lei do trabalho portuário e não se trata de pressões, ou não. Não vai alterar a le
IRS: Não receber reembolso até às 00.00 dá direito a juros
Contribuintes a quem o Estado não pague até ao fim do dia recebem juros diários à taxa de 4% ao ano. Para declarações entregues fora do tempo o prazo só acaba a 31 de dezembro.
Ordem dos Advogados denuncia
Penalistas, magistrados, académicos, responsáveis e funcionários das cadeias portuguesas reúnem-se durante dois dias para debater o sistema prisional, a execução de penas e os direitos dos reclusos. Encontro
 Governo aprova o Estatuto da Vítima
O Governo aprovou hoje o Estatuto da Vítima, que a ministra da Justiça considerou ser "muito garantístico" e que "recentra" a vítima no âmbito do sistema penal português.
Cédula profissional obrigatória para terapêuticas não convencionais
Os profissionais que se dediquem às terapêuticas não convencionais, como medicina tradicional chinesa ou acupuntura, têm de ter uma licenciatura e obter uma cédula profissional, segundo legislação publicada esta segunda-feira.
Subsídio de desemprego para 'independentes' chega em janeiro
A partir de janeiro, os trabalhadores independentes passam a poder requerer junto da segurança social o subsídio de desemprego, noticia esta segunda-feira o Jornal de Negócios.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro