facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Clique e Receba os nossos Destaques no seu Email.

Subscreva a Newsletter e receba os nossos destaques no seu email.

Noticias

Estado perdoa juros e custas a quem pagar dívidas até 20 de Dezembro

dinheiroRegime excepcional de regularização de dívidas prevê perdão de juros e custas para que contribuintes que paguem dívidas ao fisco e à Segurança Social até 20 de Dezembro.

O novo plano extraordinário regularização de dívidas ao fisco e à Segurança Social prevê o pagamento integral das suas dívidas de natureza fiscal e contributiva até a próximo dia 20 de Dezembro, permitindo que empresas e particulares evitem as consequências da falta de cumprimento, nomeadamente penhoras. Os contribuintes que optarem pelo pagamento total das suas dívidas, já detectadas ou auto denunciadas voluntariamente, serão dispensados de pagar juros de mora pelo atraso no pagamento e juros compensatório, ficando ainda dispensados de pagar custas devidas no processo de contra-ordenação. Já ao nível das coimas contarão com reduções substanciais.

O regime extraordinário de regularização de dívidas ao Estado, que foi hoje aprovado em Conselho de Ministros, prevê condições especiais de juros e de custas processuais e redução das coimas para empresas e particulares.

Em causa está o perdão de custas processuais e juros de mora e compensatórios para os contribuintes incumpridores, à semelhança - nestes últimos dois casos - do regime de 2002 criado pela então ministra das Finanças, Manuel Ferreira Leite.

O novo plano é, porém, mais favorável face ao regime excepcional de 2002 ao conceder três dispensas de pagamento: de juros de mora e compensatórios e também de custas processuais (só nos processos administrativos, não abrangendo processos em tribunais), continuando a prever uma redução de coimas. Recorde-se que Ferreira Leite criou um regime que previa a redução de custas a 1% da quantia exequenda para pagamento em conjunto das dívidas fiscais e contributivas, bem como a redução da coima a 10% do mínimo previsto na lei. A estas condições juntava-se ainda a dispensa de pagamento de juros de mora e compensatórios.

Este plano terá efeitos orçamentais já este ano através de arrecadação de receita fiscal extraordinária que ajudará a atingir a meta do défice de 5,5%.

Com este novo regime, o Executivo pretende ainda aliviar o garrote fiscal, evitando penhoras e aliviando a tesouraria das empresa, que asfixia o tecido empresarial e permitir o acesso a fundos comunitários no novo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) que irá vigorar entre 2014 e 2020, e vai disponibilizar 21 mil milhões de euros dos quais, cerca de quatro mil milhões desses apoios estão previstos para as PME no eixo da competitividade.

in Económico | 03-10-2013 | Lígia Simões

Também com interesse
Ir
Já não é preciso esperar por uma condenação para que os bens que são objecto ou produto do crime possam ser apreendidos e vendidos. Num ano, Estado apreendeu 12 milhões em produtos bancários ou carros no valor de 1 milhão.
Governo destaca diminuição da criminalidade e taxa de resolução dos processos judiciais
Os ministros da Administração Interna e da Justiça destacaram hoje a diminuição da criminalidade registada no primeiro semestre deste ano e a taxa de 158% de resolução dos processos judiciais, referida como inédita na democracia portuguesa.
Criado Centro de Competências Jurídicas para apoiar todos os membros do Governo
O Governo aprovou hoje a criação do Centro de Competências Jurídicas que prestará consultoria a todos os membros do executivo e harmonizará fórmulas e técnicas de formalização jur&i
Fisco faz ação de fiscalização especial a veículos de transporte
A Autoridade Tributária anunciou, esta terça-feira, ter em curso este mês uma operação de "larga escala" a veículos de mercadorias e de passageiros, para controlar documentos de transporte e de faturaç
Supremo condena BPI num caso em que empresa foi vítima de ataque informático
Acórdão defende que riscos de burla dos sistemas informáticos de homebanking têm de correr por conta dos bancos.
Governo vai limitar acesso a planos de recuperação financeira
Medida aprovada em Conselho de Ministros restringe adesão às empresas, mas o Ministério da Justiça garante que famílias vão poder continuar a recorrer a esta alternativa à insolvência.
Bancos já começaram a reestruturar dívidas dos clientes
O cenário da reestruturação da dívida soberana portuguesa – processo que, naturalmente, se estenderia a outras entidades subnacionais, como grandes empresas e bancos, que tentariam melhores condições junto dos credores externos – ganhou for
 Fisco está a penhorar encomendas das empresas
Associação LusaPME adverte que, assim, será impossível a muitas empresas pagar as dívidas e terão o encerramento como destino.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro