facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Estado perdoa juros e custas a quem pagar dívidas até 20 de Dezembro

dinheiroRegime excepcional de regularização de dívidas prevê perdão de juros e custas para que contribuintes que paguem dívidas ao fisco e à Segurança Social até 20 de Dezembro.

O novo plano extraordinário regularização de dívidas ao fisco e à Segurança Social prevê o pagamento integral das suas dívidas de natureza fiscal e contributiva até a próximo dia 20 de Dezembro, permitindo que empresas e particulares evitem as consequências da falta de cumprimento, nomeadamente penhoras. Os contribuintes que optarem pelo pagamento total das suas dívidas, já detectadas ou auto denunciadas voluntariamente, serão dispensados de pagar juros de mora pelo atraso no pagamento e juros compensatório, ficando ainda dispensados de pagar custas devidas no processo de contra-ordenação. Já ao nível das coimas contarão com reduções substanciais.

O regime extraordinário de regularização de dívidas ao Estado, que foi hoje aprovado em Conselho de Ministros, prevê condições especiais de juros e de custas processuais e redução das coimas para empresas e particulares.

Em causa está o perdão de custas processuais e juros de mora e compensatórios para os contribuintes incumpridores, à semelhança - nestes últimos dois casos - do regime de 2002 criado pela então ministra das Finanças, Manuel Ferreira Leite.

O novo plano é, porém, mais favorável face ao regime excepcional de 2002 ao conceder três dispensas de pagamento: de juros de mora e compensatórios e também de custas processuais (só nos processos administrativos, não abrangendo processos em tribunais), continuando a prever uma redução de coimas. Recorde-se que Ferreira Leite criou um regime que previa a redução de custas a 1% da quantia exequenda para pagamento em conjunto das dívidas fiscais e contributivas, bem como a redução da coima a 10% do mínimo previsto na lei. A estas condições juntava-se ainda a dispensa de pagamento de juros de mora e compensatórios.

Este plano terá efeitos orçamentais já este ano através de arrecadação de receita fiscal extraordinária que ajudará a atingir a meta do défice de 5,5%.

Com este novo regime, o Executivo pretende ainda aliviar o garrote fiscal, evitando penhoras e aliviando a tesouraria das empresa, que asfixia o tecido empresarial e permitir o acesso a fundos comunitários no novo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) que irá vigorar entre 2014 e 2020, e vai disponibilizar 21 mil milhões de euros dos quais, cerca de quatro mil milhões desses apoios estão previstos para as PME no eixo da competitividade.

in Económico | 03-10-2013 | Lígia Simões

Também com interesse
Candidatos a bastonário chumbam sociedades multidisciplinares
É consensual: os candidatos a bastonário [Elina Fraga não respondeu] rejeitam a ideia de as sociedades abrirem portas a outros profissionais que possam prestar apoio jurídico. As razões que apresentam são distintas. Os advogados decidem dia 29
Fisco cria linha telefónica para acompanhar reembolso do IRS
O fisco lançou uma linha telefónica de atendimento automatizado que permite verificar o estado em que se encontra o reembolso do IRS. E do IVA.
Apenas 319 desempregados tiveram salários subsidiados pelo IEFP
De um universo de quase 23 mil potenciais beneficiários, apoio chegou a menos de 1,5% dos desempregados que aceitaram trabalhar por um salário inferior ao subsídio.
Governo concede dois dias de tolerância de ponto no Natal e Ano Novo
O Governo anunciou, esta quinta-feita, que vai conceder tolerância de ponto aos funcionários públicos no Natal e no Ano Novo.
Criação de empresas aumenta quase 20% em Março. Insolvências descem na mesma medida
O mês de Março assistiu ao nascimento de 4.097 novas empresas em Portugal, um crescimento homólogo de 18,9%. No mesmo período, 1.333 fecharam portas.
Salário mínimo de 557 euros formalizado em Diário da República
Diploma aplica-se também à função pública e entra em vigor a 1 de Janeiro de 2017.
Vigiar Facebook nas empresas é proibido
A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) emitiu uma deliberação que proíbe os empregadores de concretizarem “qualquer forma de controlo de conteúdo” das contas de correio electrónico e das redes sociais dos trabalhadores.
Parlamento aprovou multas para quem exigir fotocópia do cartão de cidadão
O diploma prevê coimas de 250 a 750 euros para as entidades que exijam fotocópias do cartão de cidadão sem consentimento do respectivo portador. Entrada em vigor só acontecerá quatro meses depois da publica&cc

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro