facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Estado perdoa juros e custas a quem pagar dívidas até 20 de Dezembro

dinheiroRegime excepcional de regularização de dívidas prevê perdão de juros e custas para que contribuintes que paguem dívidas ao fisco e à Segurança Social até 20 de Dezembro.

O novo plano extraordinário regularização de dívidas ao fisco e à Segurança Social prevê o pagamento integral das suas dívidas de natureza fiscal e contributiva até a próximo dia 20 de Dezembro, permitindo que empresas e particulares evitem as consequências da falta de cumprimento, nomeadamente penhoras. Os contribuintes que optarem pelo pagamento total das suas dívidas, já detectadas ou auto denunciadas voluntariamente, serão dispensados de pagar juros de mora pelo atraso no pagamento e juros compensatório, ficando ainda dispensados de pagar custas devidas no processo de contra-ordenação. Já ao nível das coimas contarão com reduções substanciais.

O regime extraordinário de regularização de dívidas ao Estado, que foi hoje aprovado em Conselho de Ministros, prevê condições especiais de juros e de custas processuais e redução das coimas para empresas e particulares.

Em causa está o perdão de custas processuais e juros de mora e compensatórios para os contribuintes incumpridores, à semelhança - nestes últimos dois casos - do regime de 2002 criado pela então ministra das Finanças, Manuel Ferreira Leite.

O novo plano é, porém, mais favorável face ao regime excepcional de 2002 ao conceder três dispensas de pagamento: de juros de mora e compensatórios e também de custas processuais (só nos processos administrativos, não abrangendo processos em tribunais), continuando a prever uma redução de coimas. Recorde-se que Ferreira Leite criou um regime que previa a redução de custas a 1% da quantia exequenda para pagamento em conjunto das dívidas fiscais e contributivas, bem como a redução da coima a 10% do mínimo previsto na lei. A estas condições juntava-se ainda a dispensa de pagamento de juros de mora e compensatórios.

Este plano terá efeitos orçamentais já este ano através de arrecadação de receita fiscal extraordinária que ajudará a atingir a meta do défice de 5,5%.

Com este novo regime, o Executivo pretende ainda aliviar o garrote fiscal, evitando penhoras e aliviando a tesouraria das empresa, que asfixia o tecido empresarial e permitir o acesso a fundos comunitários no novo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) que irá vigorar entre 2014 e 2020, e vai disponibilizar 21 mil milhões de euros dos quais, cerca de quatro mil milhões desses apoios estão previstos para as PME no eixo da competitividade.

in Económico | 03-10-2013 | Lígia Simões

Também com interesse
 Alterações à lei da adoção devem ser apresentadas «muito em breve»
O primeiro-ministro afirmou hoje que o tempo que demoram os processos de adoção em Portugal não é o ideal para as crianças, acrescentando que deverão ser apresentadas «muito em breve» as alterações ao quadro legal da adoção e também ao r
É funcionário público? Corte nos salários volta amanhã
A lei com os cortes temporários nos salários dos funcionários públicos entra em vigor este sábado. Grande parte dos salários já foi processado, mas novo corte afeta metade do mês.
Provedor de Justiça denuncia condições na prisão de Vale de Judeus
O provedor de Justiça revelou estar indignado com o estado de degradação das torres de vigia da prisão de Vale de Judeus, em Alcoentre, e diz que "a crise económico-financeira não pode justificar tudo".
A procuradora-geral da República defendeu hoje a necessidade de Portugal investir na qualificação dos guardas prisionais, na dos técnicos de reinserção social e na capacidade técnica de quem trabalha n
Centenas de empresas com problemas de segurança continuam a desrespeitar as regras
Autoridade para as Condições do Trabalho visitou mais de 400 empresas onde já tinha havido acidentes graves ou mortais.
Fisco volta a adiar novas regras no transporte de mercadorias
Empresas têm mais dois meses para se adaptarem às novas regras de comunicação prévia de documentos de transporte de mercadorias.
Insolvências recuam para níveis de 2012
As insolvências judiciais recuaram mais de 10% no primeiro semestre deste ano, no terceiro ano consecutivo de quedas que levaram o número de processos para os níveis de 2012.
Ministra não comenta críticas do Supremo ao Citius
A paragem do Citius nos primeiros dois meses de arranque do mapa judiciário resultou em dados estatísticos que não são "confiáveis", o que implicou uma "impossibilidade de uma avaliação estatíst

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro