facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Fraude de 1,2 milhões em restaurantes

restauracaoGraças a um programa informático concebido e vendido especificamente para alterar os registos de facturação, dezena e meia de restaurantes do Norte e Sul do país conseguiram defraudar o Estado em cerca de 1,2 milhões de euros, de IVA e IRC, em apenas quatro anos.

Os factos são narrados num despacho de acusação deduzido há cerca de um mês pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, dirigido por Maria José Morgado. A investigação, elaborada pela Autoridade Tributária e pela Unidade Nacional Contra a Corrupção da Polícia Judiciária, foi classificada de «excepcional complexidade técnica e jurídica».

No final, foram acusados de fraude fiscal qualificada e instigação ao mesmo crime 20 arguidos: sete empresas de informática e de comércio de equipamentos electrónicos e os 13 gerentes, que vendiam o programa informático.

Já a maioria dos restaurantes e respectivos gerentes, arguidos por fraude fiscal e falsidade informática, beneficiaram da suspensão provisória do processo – ou seja, não serão julgados, desde que paguem ao Fisco os valores em falta e não reincidam no crime.

Romando (Vila do Conde), Espaço Lisboa, Marisqueira Estrela do Mar (Mafra), David da Buraca (Lisboa), Furnas do Guincho, Churrasqueira Povoense (Mafra), Marisqueira Lagosta da Mauritânia (Porto) e Café Cascata (Matosinhos) são alguns dos cerca de 15 restaurantes investigados.

Software ‘milagroso’

Segundo o despacho de acusação, todos utilizaram um programa informático concebido pela Restinfor, empresa do grupo PIE Portugal (na Póvoa do Varzim), um dos arguidos no processo. Desde finais dos anos 90, a Restinfor desenvolveu e comercializou o WinRest Front Office, um programa informático para as empresas de restauração registarem as suas vendas.

A partir de certa altura, concebeu também o SIM.exe – que permitia, «uma vez instalado no computador ou noutro suporte (uma pen ou um CD), alterar os dados registados no WinRest», sem que a fiscalização do Fisco se apercebesse. Nomeadamente, no WinRest os restaurantes registavam diariamente as vendas; com o SIM.exe, e habitualmente no final do mês, suprimiam linhas e dados dessas vendas, alterando por completo os valores. Assim, não só escondiam do Fisco o verdadeiro volume de negócios a declarar em sede de IRC, como os montantes de IVA cobrados aos clientes e que era suposto entregarem ao Estado, mas dos quais se apoderaram.

O SIM. exe era disponibilizado no site Geocities.com (mediante uma password) às empresas revendedoras: a Varel (Porto), a Nortrest (Póvoa do Varzim), a Inforantunes (Porto) e a Regimática (Lisboa), todas acusadas no processo, bem como os seus gerentes, por terem vendido o programa aos restaurantes.

Este programa informático operava verdadeiros ‘milagres’. É que, na realidade, os restaurantes em causa obtinham lucros entre 10 a 20 vezes superiores ao que declaravam ao Fisco para efeitos de tributação. No ‘pior’ dos casos, pelo menos duas vezes mais.

Por exemplo: em 2006, um dos restaurantes declarou 11.600 euros de lucro tributável, quando na realidade este valor foi de 256 mil euros. Além disso, ficou com 29 mil euros de IVA. Noutro caso, um snack-bar declarou, em 2006, um prejuízo de 15 mil euros, quando na realidade lucrou mais de 72 mil euros. E fez seus os 12 mil euros de IVA pagos pelos clientes.

No total, entre 2003 e 2006, inclusive, estas empresas lesaram o Estado em pelo menos 780 mil euros de IRC e quase meio milhão de IVA.

in SOL | 08-04-2013 | Ana Paula Azevedo

Também com interesse
UE: Portugal não pôs em prática medidas contra racismo e discriminação
Portugal não pôs em prática, ou só o fez parcialmente, medidas recomendadas pela Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância sobre comunidades ciganas, continuando a faltar a recolha de dados e a simp
Contribuintes podem aderir ao perdão de dívidas fiscais a partir de sexta-feira
Diploma será publicado em Diário da República na quinta-feira. Adesão ao PERES dura 47 dias, para pagamento integral das dívidas ou em prestações.
Privados poderão passar a definir o 'destino' dos desempregados
O Governo já terá dado os primeiros passos para que empresas privadas comecem a tentar a colocação de desempregados, com a aprovação de um diploma que permitirá aos privados começarem, à semelhança do que acontece com os Centros de Emprego,
Escritórios e lojas obrigados a ter ficha técnica do imóvel
Antes de entrarem no mercado imobiliário, os prédios sujeitos a obras vão ter de possuir uma ficha técnica com toda a informação necessária a quem esteja interessado em adquirir ou arrendar.
Tribunal contraria Fisco e permite junção de multas das portagens
Um juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou a apensação, um elemento que permite que um mesmo recurso sirva para situações de coimas iguais à mesma pessoa. Por regra, o Fisco espera que cada recurso seja pago individualmente. Ca
Máquina do Estado está sobrecarregada com processos. LabX quer menos burocracia
O que é mais complexo: registar um bilhete de metro ou uma despesa de cem mil euros? Na máquina do Estado é quase igual.
Registados 245 testamentos vitais em dois meses
Depois de em julho ter sido dada a possibilidade aos portugueses de assinarem um testamento vital estabelecendo que cuidados de saúde querem receber em determinadas situações, foram registados 245 pedidos neste sentido, escreve o Público. Neste
IMT vai dar cartas em cinco dias
A partir de Setembro, as cartas de condução vão passar a ser entregues, no máximo, em cinco dias. Este é o prazo apontado pelo presidente do Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT), numa altura em que está

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro