facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

ASAE investiga todas as "smartshops" do país

asaeFonte conhecedora do processo revela que a maior parte das lojas ficou praticamente sem produtos para vender, o que, nalguns casos, terá forçado o seu encerramento, não por decisão da ASAE, mas simplesmente por falta de "stock".

A ASAE (Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica) visitou na última semana as 40 "smartshops" que existem em Portugal. A acção nacional foi desencadeada na sequência do internamento de três jovens em Beja, vitimas dos efeitos provocados por produtos que adquiriam num desses estabelecimentos.

Ao que a Renascença apurou, a decisão foi do Ministério Publico e teve como ponto de partida o processo-crime aberto em Beja, na sequência do internamento a 26 de Janeiro das três menores, entre os 13 e os 15 anos, com graves sinais de intoxicação.

As autoridades decidiram que esse caso daria origem a uma investigação mais vasta e que seria para esse processo de Beja que seriam canalizados todos os resultados.

Durante toda a semana passada, a ASAE visitou as 40 lojas que actualmente existem no país, onde apreendeu todos os produtos cuja composição não está identificada ou cuja identificação não corresponde ao rótulo que os acompanha.

Ao todo, os inspectores apreenderam 15.824 embalagens, que vendidas ao público renderiam quase 165 mil euros.

Fonte conhecedora do processo revela que a maior parte das lojas ficou praticamente sem produtos para vender, o que, nalguns casos, terá forçado o seu encerramento, não por decisão da ASAE, mas simplesmente por falta de "stock".

No interior destas lojas é possível encontrar ervas, sementes, cactos ou cápsulas que não estão proibidos por lei, mas que contêm princípios alucinogénicos. Alguns produtos até avisam no rótulo que não são para "consumo humano".

A primeira "smartshop" do país abriu em Aveiro em 2007, tendo aberto outras 40 desde então. O Governo já avisou que vai apertar o cerco às drogas vendidas nestas lojas, a começar pela elaboração de uma "lista de quarentena de um conjunto alargado de substâncias" químicas. A nova regulação deve entrar em vigor em Março deste ano.

in RRenascença | 04-02-2013

Também com interesse
Empresas de electricidade e clientes têm de pagar 20 euros se falharem horários de visita
As empresas de electricidade vão ter de agendar visitas com um intervalo de 2,5 horas e serão obrigadas a pagar uma compensação de 20 euros se falharem o horário, tal como os clientes, segundo o novo regulamento do sector.
Seguros ficam mais caros para pagar INEM
Em 2015, os portugueses vão pagar mais 20 milhões de euros para o INEM. O orçamento daquele instituto vai engordar para os 100 milhões à custa da subida da taxa cobrada aos que têm seguros.
Resolver conflitos fora do tribunal? Bom mas não sempre
Os meios alternativos de resolução de conflitos normalmente são mais rápidos, mais baratos, mais eficazes e mais cómodos. Mas não são a solução para todo o tipo de litígios.
Segurança Social fechou 89 lares de idosos e cinco creches em 2013
O Instituto da Segurança Social fechou o ano passado 89 lares e cinco creches, resultado das mais de mil inspeções feitas em 2013, havendo, no entanto, um aumento da capacidade instalada.
Novo sistema de faturas 'caçou' 200 mil empresas
Pedir ou não pedir fatura continua a ser uma das principais dúvidas dos portugueses no ato do pagamento, contudo, o número de recibos com identificação fiscal apresentado em 2014 alcançou os 4,8 mil milhões e permitiu à Autoridade Tributária
 Aprovado: Proibido vender álcool a menores de 18 anos
O Conselho de Ministros aprovou hoje a nova lei da álcool, proibindo o consumo de bebidas alcoólicas a todos os menores de 18 anos, independentemente do tipo de bebida.
Função Pública: equipas que pouparem mais vão ter bónus salarial
Governo quer recompensar as equipas da função pública que conseguirem maior redução da despesa, sem afetar a qualidade do serviço. O modelo, que prevê bónus salarial, avança este ano, diz
Governo lança Kit para explicar direitos e deveres aos refugiados
Com o objetivo de “dar as boas-vindas e apoiar os cidadãos requerentes de asilo no primeiro contacto” com o país, será lançado amanhã o Kit de Acolhimento a Refugiados.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro