facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

ASAE investiga todas as "smartshops" do país

asaeFonte conhecedora do processo revela que a maior parte das lojas ficou praticamente sem produtos para vender, o que, nalguns casos, terá forçado o seu encerramento, não por decisão da ASAE, mas simplesmente por falta de "stock".

A ASAE (Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica) visitou na última semana as 40 "smartshops" que existem em Portugal. A acção nacional foi desencadeada na sequência do internamento de três jovens em Beja, vitimas dos efeitos provocados por produtos que adquiriam num desses estabelecimentos.

Ao que a Renascença apurou, a decisão foi do Ministério Publico e teve como ponto de partida o processo-crime aberto em Beja, na sequência do internamento a 26 de Janeiro das três menores, entre os 13 e os 15 anos, com graves sinais de intoxicação.

As autoridades decidiram que esse caso daria origem a uma investigação mais vasta e que seria para esse processo de Beja que seriam canalizados todos os resultados.

Durante toda a semana passada, a ASAE visitou as 40 lojas que actualmente existem no país, onde apreendeu todos os produtos cuja composição não está identificada ou cuja identificação não corresponde ao rótulo que os acompanha.

Ao todo, os inspectores apreenderam 15.824 embalagens, que vendidas ao público renderiam quase 165 mil euros.

Fonte conhecedora do processo revela que a maior parte das lojas ficou praticamente sem produtos para vender, o que, nalguns casos, terá forçado o seu encerramento, não por decisão da ASAE, mas simplesmente por falta de "stock".

No interior destas lojas é possível encontrar ervas, sementes, cactos ou cápsulas que não estão proibidos por lei, mas que contêm princípios alucinogénicos. Alguns produtos até avisam no rótulo que não são para "consumo humano".

A primeira "smartshop" do país abriu em Aveiro em 2007, tendo aberto outras 40 desde então. O Governo já avisou que vai apertar o cerco às drogas vendidas nestas lojas, a começar pela elaboração de uma "lista de quarentena de um conjunto alargado de substâncias" químicas. A nova regulação deve entrar em vigor em Março deste ano.

in RRenascença | 04-02-2013

Também com interesse
Falta de diploma pode colocar em causa prazo para reabrir 20 tribunais
Parlamento continua à espera de diploma considerado essencial à compreensão de proposta de lei, que ministra prometeu enviar. Votação na especialidade está marcada para esta quarta-feira.
Falsos recibos verdes aumentam 200% em 2014
Os falsos recibos verdes aumentaram 200% em 2014, indica um relatório da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) que aponta igualmente para um crescimento de 34% do número de trabalhadores não declarados.
Leiloeiras contesta em tribunal monopólio de leilões de bens penhorados
A Associação Portuguesa de Estabelecimentos de Leilão entregou na segunda-feira no Tribunal Administrativo de Lisboa um pedido de declaração de ilegalidade do despacho ministerial que designou a e-leilões com
Prestamistas alertam para risco de encerramento de casas de penhores
A Associação de Prestamistas de Portugal advertiu hoje o secretário de Estado do Comércio para o risco de encerramento da grande maioria das casas de penhores devido às alterações legislativas que en
GNR vai fiscalizar guias e facturas com dados das Finanças
A partir de Maio, os comerciantes vão ter de comunicar previamente todas as mercadorias que movimentarem. GNR terá sistema informático com dados das Finanças em tempo real. E as multas podem chegar a 3.750 euros.
Parlamento debate proposta para criação da morada única digital
O Parlamento tem em debate, esta sexta-feira, a proposta de criação da morada única digital, que permite aos cidadãos e às empresas receber notificações eletrónicas associadas a essa morada.
Novos polícias chumbados. Governo pode ter de fechar esquadras
Sindicato diz que por ano há perto de mil polícias a abandonarem a PSP. A entrada de apenas 300 vai levantar um problema de segurança.
MAI altera regulamento disciplinar da PSP e quer eliminar aposentação compulsiva
O Ministério da Administração Interna pretende eliminar as penas disciplinares de repreensão verbal e aposentação compulsiva para os polícias.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro