facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Regiões e autarquias dificilmente vão cumprir lei de Finanças

admin publicaA nova lei só entra em vigor em Janeiro de 2014, mas a dívida é tal que dificilmente as regiões e os municípios terão tempo para evitar o incumprimento.

Quando a nova lei das Finanças Regionais e Locais entrar em vigor, dificilmente será cumprida. A conclusão consta de uma análise publicada hoje pelo Conselho das Finanças Públicas, que avaliou o impacto dos novos limites à dívida das regiões e dos municípios.

"Muito dificilmente uma região cuja dívida relevante ultrapassa em 2011 o seu tecto em mais de quatro vezes será capaz de o cumprir em 2014, primeiro ano previsto para a aplicação da lei", alerta o relatório do CFP, divulgado hoje online, referindo-se à Região Autónoma da Madeira.

De acordo com as contas do conselho de monitorização das finanças públicas, presidido por Teordora Cardoso, se a nova lei já se aplicasse desde 2009, a Madeira teria estado sempre em situação de incumprimento, até 2011 (para 2012 as contas não foram feitas por falta de dados).

O CFP avisa que a análise retroactiva destas regras deve ser feita com especial cuidado mas, ainda assim, a dimensão do desvio deixa sinais de alerta. Em 2011, o excesso de dívida da Madeira seria de 4.370,1 milhões de euros, se as novas normas já estivessem em vigor.

No caso dos Açores, não teria sido detectado nenhum excesso de endividamento, mas teria sido emitido um "alerta precoce" em 2011, já que o total do passivo exigível superaria a média da receita cobrada nos três anos anteriores.

Já para os municípios, o CFP fez uma análise agregada: em vez de estudar a situação financeira de cada uma das 308 autarquias, avaliou o bolo total. Além disso, não considerou, por escassez de informação, as entidades do sector empresarial local. O relatório frisa que "o passivo exigível dos municípios excede o valor médio da receita corrente líquida cobrada nos três anos anteriores".

Contudo, como as contas não foram feitas de forma individualizada para cada uma das câmaras, o CFP conclui que tal "não configura necessariamente uma situação de incumprimento generalizado". Em vez disso, "indicia a existência de vários municípios que poderão ter dificuldade em se adaptar no curto prazo à nova regra" que vai vigorar a partir de 2014.

in Económico | 23-04-2013 | Margarida Peixoto

Também com interesse
Notificações dos tribunais vão indicar duração média do processo
Nas Grandes Opções do Plano para o próximo ano, Governo fala em criar portal da Justiça com informação útil, reforçar os meios alternativos de resolução dos litígios e num
Nova lei das rendas: só vão ser permitidos despejos após três meses de renda por pagar
Com a entrada em vigor das alterações à lei das rendas, o arrendatário ganha mais um mês de estadia no imóvel, até que possa ser obrigado a sair pelo senhorio.
Quase 1600 pessoas proibidas de contactar vítimas de violência doméstica
Quase 1600 pessoas foram sujeitas à medida de proibição de contactos com vítimas de violência doméstica nos últimos sete anos, indicam os últimos dados estatísticos da Direcç&atil
Controlo do cadastro de voluntários a trabalhar com crianças pode falhar
Provedor de Justiça recomendou que o cadastro deixe de ser pedido anualmente. Especialistas questionam eficácia deste sistema para proteger menores de abusos.
Decisões diferentes para casos iguais nas autarquias
Afinal, apenas alguns trabalhadores da administração local é que foram obrigados a devolver as promoções recebidas.
Prazo alargado para pequenos agricultores declararem início de actividade
Ministério das Finanças decidiu dar mais três meses aos agricultores para regularizarem a sua situação, “sem quaisquer acréscimos ou penalidades”.
Venda de ouro usado continua sem regras
Para abrir uma loja de ouro em Portugal é necessária apenas uma licença de contrastaria. Depois, é só abrir as portas. A legislação prometida ainda está em estudo.
 IRS: despesas de educação ficam autónomas e cláusula de salvaguarda vai até 2017
Há duas diferenças substanciais entre a versão da reforma do IRS aprovada há uma semana pelo governo e entre aquela que hoje deu entrada no Parlamento. Uma relativa às deduções de despesas de educação e outra relativa à clásula de salvagua

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro