facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

É necessário ultrapassar arrogância e falta de humildade das magistraturas, diz PGR

joana marques vidalA procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, assumiu hoje "a necessidade de ultrapassar a arrogância, falta de humildade e falta de conhecimento dos outros por parte das magistraturas", considerando "preparação e participação" fundamentais sempre que haja alterações legislativas.

Joana Marques Vidal discursava na sessão de encerramento do congresso "As alterações de 2013 aos códigos penal e de processo penal: Uma reforma cirúrgica'?", que hoje decorreu na Faculdade de Direito da Universidade do Porto (FDUP), onde falou de alterações legislativas mas sublinhou não se pronunciar sobre as últimas reformas que decorreram.

"Assumiria a necessidade de ultrapassar a arrogância, a falta de humildade e a falta de conhecimento dos outros por parte das magistraturas e acho que neste esforço comum conseguiremos com certeza encontrar caminhos para a paz e num futuro do respeito dos direitos humanos sem nos esquecermos do fundamental: da essência do ser humano", disse, referindo-se ao discurso do diretor da FDUP, que "falou da arrogância, da falta de humildade e da falta de aceitação do outro dos académicos".

Na opinião da PGR é necessário que "as reformas e as alterações legislativas sejam consequência de verdadeiras necessidades de alteração".

"É importante que à volta das reformas propostas haja profundos e claros debates. Que no processo de elaboração das alterações legislativas, haja uma participação ativa e constante, e com claro debate de ideias, sobre essas mesmas reformas", defendeu.

De acordo com Joana Marques Vidal, e seguindo aquilo que já havia sido dito na sessão de encerramento, "muitas vezes as reformas fazem-se por motivos que não seriam os mais estimáveis e fazem-se muitas vezes a correr e em cima do joelho".

"Que nessas reformas, se tente sempre fazer uma clara avaliação de quais são os custos orçamentais que as reformas vão implicar e de quais são as consequências de alterações práticas, desde as respetivas estruturas que permitam que essas reformas sejam postas em prática", observou.

A PGR apelou ainda às instituições "para que sempre que haja alterações legislativas, além de toda essa preparação e participação na sua fase de elaboração, haja também uma preparação para a sua aplicação".

in ionline | 18-06-2013

Também com interesse
Governo vai dar bónus a quem desconte mais de 40 anos
Costa vai compensar os trabalhadores com mais de 40 anos de contribuições que continuem no ativo depois dos 66 anos de vida.
Governo admite descongelar progressões na função pública
O Governo aprovou na quinta-feira à noite diplomas para a função pública como a mobilidade especial e o alargamento de horário de trabalho.
Inspetores do Fisco à paisana 'de olho' em casas de verão
Considerando que só em 2013, o Fisco perdeu 20 milhões de euros devido ao negócio ilegal das casas arrendadas foi instaurada uma nova medida que vai permitir descobrir os proprietários que alugam casas, mas não declaram. São chamados os inspeto
Receber rendimentos em atraso é fiscalmente ganhar a lotaria
Um vazio legal relativamente ao pagamento de salários ou pensões em atraso está a penalizar há vários anos os contribuintes portugueses. É que desde 2001, altura em que a lei foi alterada pelo Orçamento do Estado, os retroativos passaram a ser
Banca. Recurso a contas de serviços mínimos dispara 28%
Mais de metade (54%) das novas contas de serviços mínimos vieram da conversão de contas de depósitos de clientes. Num ano, salto foi de 66%.
PME obrigadas a disponibilizar inventário em permanência a partir de Janeiro
A partir de 1 de Janeiro, pelo menos 25 mil pequenas empresas em Portugal terão de disponibilizar o seu inventário em permanência, segundo o novo enquadramento legal das finanças para 2016, que deixa de fora desta obriga&
Quantos julgamentos fez cada um dos tribunais que reabriram? Dois por mês
Balanço de seis meses dá conta de situações díspares: em Monchique a sala de audiências não foi usada uma única vez desde que o tribunal reabriu, mas em Sever do Vouga a procura tem sido bastante
Ministra confiante em “manutenção” das verbas para a Justiça em 2017
Ministra da Justiça defende que os consensos são indispensáveis para resolver problemas do setor e espera, no mínimo, a manutenção das verbas destinadas à Justiça no Orçamento de Estado

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro