facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Juízes arrasam a lei da ministra

sala audienciaJulgamentos sumários para crimes graves violam direitos dos arguidos – perdem "garantias de defesa" e são punidos por magistrados inexperientes.

Um juiz recusou-se a julgar em processo sumário um homicida, no Entroncamento, ao entender que apenas um tribunal coletivo ou de júri tem competência para decidir, nos prazos normais, sobre crimes puníveis com penas de prisão superiores a cinco anos. Houve um recurso para o Tribunal Constitucional (TC) e os juízes conselheiros deram-lhe razão – "a norma é inconstitucional".

Afirmam os juízes que, com a nova lei da ministra Paula Teixeira da Cruz, que visou já este ano acelerar os processos em que os suspeitos são apanhados em flagrante delito, são violados direitos de defesa dos arguidos. "Como o TC tem reconhecido [em dois acórdãos anteriores], o julgamento através de tribunal singular oferece menos garantias de defesa, desde logo porque aumenta a margem de erro na apreciação dos factos e a possibilidade de uma decisão menos justa".

Segundo os juízes, num acórdão de 15 de julho a que o CM teve ontem acesso, "o tribunal singular [para crimes menores] é normalmente constituído por um juiz em início de carreira, com menos experiência, o que poderá potenciar uma menor qualidade da decisão".

Afirmam ainda que: "A celeridade processual não pode deixar de ser articulada com as garantias da defesa". E, embora a prova direta, face ao flagrante delito, "facilite a demonstração dos factos e a punibilidade do arguido", há outros fatores a ter em conta na aplicação da pena, como "a personalidade do agente, a motivação e as circunstâncias anteriores ou posteriores ao crime".

Para os casos de criminalidade grave, a que possa corresponder a mais elevada moldura penal, "nada justifica que a situação de flagrante delito possa implicar, por si, um agravamento do estatuto processual do arguido, com uma limitação dos direitos de defesa e a sujeição a uma forma de processo que envolva menores garantias de uma decisão justa".

in Correio da Manhã | 25-07-2013 | Henrique Machado

Também com interesse
Vai mudar de fornecedor de luz e gás? Prepare-se para um longo e duro calvário
Quer pagar as contas num balcão? Só pela Galp On. Tarifa bi-horária da EDP Comercial? Só se aceitar débito directo.
Segurança Social volta a ter lista negra de devedores
Depois de ter sido suspensa em 2013, a lista de devedores à Segurança Social vai voltar a ser pública. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias (JN) esta quinta-feira.
 PGR defende mais formação para os os funcionários judiciais
A procuradora-geral da República disse hoje que há ainda «muito a investir» na formação dos funcionários judiciais, sobretudo nas áreas da investigação criminal, trabalho, família e menores e atendimento ao público.
 Novas regras podem aumentar custo das comparticipações familiares
Netos e sobrinhos podem ser chamados a contribuir para a mensalidade paga pelo avô ou tio que está num lar. O regulamento está a ser adaptado aos regulamentos das IPSS e Misericórdias, que admitem aumentos.
Madeira proíbe abate de animais de companhia e abandonados
Animais abandonados serão recolhidos, esterilizados e encaminhados para adopção. Caso não encontrem um novo dono, serão devolvidos às ruas.
Doações fintam imposto sobre heranças
O medo do regresso do imposto sucessório, abolido em 2004, tem levado um número cada vez maior de cidadãos a doar os bens em vida. A medida não está no OE 2016, mas há advogados que a consideram “quas
Recibos verdes. Notificação da Segurança Social
Precários Inflexíveis pedem mais tempo para "recibos verdes" alterarem escalão. A situação é "grave e incompreensível".
2015 vai ter nove feriados e a possibilidade de três fins de semana prolongados
O calendário do próximo ano não contempla o regresso de nenhum dos feriados suprimidos. A boa notícia é que três feriados calham à sexta-feira. Veja e imprima o calendário feito pelo Observador.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro