facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Juízes arrasam a lei da ministra

sala audienciaJulgamentos sumários para crimes graves violam direitos dos arguidos – perdem "garantias de defesa" e são punidos por magistrados inexperientes.

Um juiz recusou-se a julgar em processo sumário um homicida, no Entroncamento, ao entender que apenas um tribunal coletivo ou de júri tem competência para decidir, nos prazos normais, sobre crimes puníveis com penas de prisão superiores a cinco anos. Houve um recurso para o Tribunal Constitucional (TC) e os juízes conselheiros deram-lhe razão – "a norma é inconstitucional".

Afirmam os juízes que, com a nova lei da ministra Paula Teixeira da Cruz, que visou já este ano acelerar os processos em que os suspeitos são apanhados em flagrante delito, são violados direitos de defesa dos arguidos. "Como o TC tem reconhecido [em dois acórdãos anteriores], o julgamento através de tribunal singular oferece menos garantias de defesa, desde logo porque aumenta a margem de erro na apreciação dos factos e a possibilidade de uma decisão menos justa".

Segundo os juízes, num acórdão de 15 de julho a que o CM teve ontem acesso, "o tribunal singular [para crimes menores] é normalmente constituído por um juiz em início de carreira, com menos experiência, o que poderá potenciar uma menor qualidade da decisão".

Afirmam ainda que: "A celeridade processual não pode deixar de ser articulada com as garantias da defesa". E, embora a prova direta, face ao flagrante delito, "facilite a demonstração dos factos e a punibilidade do arguido", há outros fatores a ter em conta na aplicação da pena, como "a personalidade do agente, a motivação e as circunstâncias anteriores ou posteriores ao crime".

Para os casos de criminalidade grave, a que possa corresponder a mais elevada moldura penal, "nada justifica que a situação de flagrante delito possa implicar, por si, um agravamento do estatuto processual do arguido, com uma limitação dos direitos de defesa e a sujeição a uma forma de processo que envolva menores garantias de uma decisão justa".

in Correio da Manhã | 25-07-2013 | Henrique Machado

Também com interesse
Governo admite ponderar custos do acesso à Justiça
O novo bastonário da Ordem dos Advogados defendeu "uma diminuição acentuada das custas judiciais". A ministra da Justiça disse estar aberta a discutir a questão.
ADSE vai avançar com eleições para representantes dos beneficiários
O regulamento eleitoral já foi publicado em Diário da República e o processo deve ser desencadeado nos próximos dez dias. ADSE já propôs a data de 12 de Setembro, mas nem todos os interessados concordam.
Governo quer menos penas curtas e mais pulseiras eletrónicas
A secretária de Estado Adjunta da Justiça defendeu hoje que a promoção do trabalho a favor da comunidade, diminuindo a aplicação penas curtas de cadeia, e uma maior utilização das pulseiras elet
Constitucional chumba algumas alterações ao Código do Trabalho
Entre as normas chumbadas estão o despedimento por extinção do posto trabalho e por inadaptação.
Autarcas. Limitação de mandatos já foi declarada inconstitucional
Juízes do Palácio Ratton chumbaram um diploma de 1991 que impedia os autarcas de se recandidatarem a mais de três mandatos consecutivos.
 Tribunais estão organizados para servir os privilégios de quem lá trabalha
O bastonário da ordem dos advogados de Portugal afirmou hoje que os tribunais em Portugal e na Europa "não servem os cidadãos e protegem alguns grupos instalados".
Aprovada prorrogação por oito anos do período transitório no arrendamento
A reforma do mercado determinou, ainda, a possibilidade de ser aplicado aos contratos antigos um período de transição de cinco anos para o novo regime, que vai terminar este ano.
Multa máxima para lares que funcionam ilegalmente sobe para 40 mil euros
"Os montantes de coimas em vigor não dissuadiam repetidas infracções, em particular nas estruturas residenciais para pessoas idosas", sublinha o ministério da Segurança Social, que quadruplicou valor da multa máxima para quem funciona sem licen

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro