facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Proteção de Dados aprovou 'google das polícias'

base de dadosOs investigadores vão ter acesso aos dados de todas as forças de segurança. A partilha de informação, de forma automática, pelas forças e serviços de segurança, está em vias de se tornar uma realidade, mas o controlo do acesso terá de ser muito apertado.

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) deu luz verde ao 'google' das polícias, um sistema informático que vai permitir a partilha de informações, de forma automática, entre as forças e serviços de segurança. Com um 'click' no teclado da designada Plataforma de Intercâmbio de Informação Criminal (PIIC), um investigador policial ou um magistrado do Ministério Público (MP) conseguirão saber imediatamente informações sobre determinado suspeito ou dados relacionados com um inquérito que estejam na base de dados das outras polícias.

Esta nova dimensão na investigação criminal não tem precedentes e, por isso mesmo, a CNPD, embora aprove o sistema e as regras definidas para a sua utilização, reforça a necessidade de o controlo sobre o cumprimento dessas condições dever ser muito apertado. E isto porque devido ao potencial que a plataforma comporta para a investigação criminal, através da partilha de informação, há riscos de utilização abusiva de dados pessoais de particular sensibilidade e forte impacte para os direitos dos cidadãos, frisa a CNPD na sua deliberação divulgada ontem.

A comissão considera que "os utilizadores da PIIC são peças-chave na garantia da informação e no cumprimento estrito da lei" e que, por esse motivo, "é fundamental a sua formação inicial e continuada" antes de a plataforma começar a funcionar". A CNPD diz que esta formação está prevista na PSP e na GNR, mas não faz referências aos outros órgãos que vão ter acesso a este motor de busca, como a PJ, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e a Polícia Marítima e o MP.

Em relação a este último, aliás, são dadas algumas recomendações, como o de ser limitado o acesso dos utilizadores da autoridade judiciária aos seus próprios processos. Segundo a apreciação da CNPD, "a forma como está estruturado o sistema de pesquisa na PIIC, não permite restringir o acesso do utilizador individual do MP apenas ao processo de que é titular". Para a comissão "o perfil de acesso dos utilizadores do MP tem que ser parametrizado", uma necessidade "ainda mais suscitada", diz a CNPD, pelo "universo alargado de utilizadores, que excede os próprios magistrados". Além destes, vão poder ter acesso à PIIC outros agentes do MP, colocados no Departamento Central de Investigação e Ação Penal, nos departamentos de Investigação e Ação Penal, aos quais estejam atribuídas competências para a investigação criminal ou ações de prevenção, bem como oficiais de justiça que coadjuvam os magistrados ou agentes do MP.

A CNPD frisa que sendo a PIIC uma plataforma de partilha de informação criminal "uma das questões mais importantes é o controlo do acesso aos dados e da utilização que lhe é dada depois", sendo "indispensável o rigoroso cumprimento dos princípios e obrigações legais". A comissão entende "ser crucial o acompanhamento próximo da implementação da PIIC" e exige que lhe sejam comunicadas "quaisquer alterações"ao seu funcionamento.

in Diário de Noticias | 24-01-2013 | Valentina Marcelino

Também com interesse
A partir de hoje pode pedir o registo criminal através da internet
O registo criminal online entrou hoje em funcionamento, passando os cidadãos a pedir a emissão deste documento através de uma plataforma eletrónica e sem necessidade de se deslocarem, informou hoje o Ministério da
Aprovada simplificação de tecnologias de informação no Estado
O Governo aprovou hoje a estratégia das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na Administração Pública até 2020 e o respetivo plano de ação, procurando simplificar a
CES passa a incluir reformados, pensionistas e aposentados
Proposta do CDS foi aprovada com votos do BE, PSD e PAN e implica que haja dois representantes dos reformados e pensionistas no Conselho Económico e Social. PS, PCP e PEV votaram contra.
Marcelo promulga redução do pagamento especial por conta
A redução do PEC foi aprovada pelo Parlamento a 10 de Março, com os votos favoráveis de PS, BE, PCP, PEV e PAN, votos contra do PSD e abstenção do CDS-PP.
Juízes querem poder limitar número de testemunhas
Conselho Superior admite que as leis, tal como estão, consomem "energia e tempo" e querem tornar a Justiça mais rápida.
PGR cria equipa especializada para o crime económico
Procuradora pediu a Amadeu Guerra que reestruturasse DCIAP e director propõe especialização e divisão em equipas. Corrupção vai ter “redobrada atenção” e ‘task force’ de 21 procuradores.
Ministra confiante em “manutenção” das verbas para a Justiça em 2017
Ministra da Justiça defende que os consensos são indispensáveis para resolver problemas do setor e espera, no mínimo, a manutenção das verbas destinadas à Justiça no Orçamento de Estado
Comissão de Proteção de Dados diz não a lei das secretas
Dar mais poderes às secretas é a proposta do PSD e CDS, mas a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) rejeita a lei.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro