facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Protecção Civil vai ter novas regras

bombeirosNo documento a que a Renascença teve acesso, o Governo prepara-se para criar cinco agrupamentos distritais de coordenação, uma nova direcção nacional para gerir os meios aéreos e reforçar a inspecção de todo o sector.

O Governo vai criar cinco agrupamentos distritais de Protecção Civil, passando a ter um novo patamar de coordenação entre o comando nacional, em Lisboa, e os 18 distritos. Esta é a principal mudança da nova lei orgânica da Autoridade Nacional de Protecção Civil, que muito em breve irá a Conselho de Ministros.

Cinco agrupamentos distritais de coordenação, uma nova direcção nacional para gerir os meios aéreos e um claro reforço da inspecção de todo o sector são as três principais novidades que constam da nova lei orgânica, a que a Renascença teve acesso.

No que diz respeito à nova organização territorial, mantém-se o comando nacional na sede em Carnaxide, com os mesmos cinco elementos dirigentes.

Mantêm-se igualmente os 18 comandos distritais, de onde desaparece, no entanto, a figura de adjunto de comando, que é actualmente o número três de cada distrito e são criados os agrupamentos distritais de coordenação.

Esta perspectiva de coordenação supra-distrital é a grande novidade e fica dividida em cinco. O Norte, o Centro-Norte, o Centro-Sul, o Sul e ainda o agrupamento distrital do Algarve, que em bom rigor vai coordenar apenas o distrito de Faro. Cada um dos agrupamentos terá um comandante operacional, com a função de articular a actividade dos comandantes dos respectivos distritos.

De resto, é criada uma quarta direcção dentro da Autoridade Nacional de Protecção Civil, dedicada em exclusivo à gestão dos meios aéreos do Estado, actualmente ainda entregues à empresa de meios aéreos, já com ordem de extinção.

É dada uma outra dimensão às funções de inspecção de todo os sistema, bombeiros incluídos, que hoje em dia estão a cargo de um pequeno departamento e passarão a ser uma das principais vertentes da estrutura.

in RRenascença | 27-03-2013 | Celso Paiva Sol

Também com interesse
Já tem um serviço gratuito para mediar conflitos
Quem tiver queixas sobre erros médicos, negligência ou questões financeiras tem solução mais rápida evitando tribunais.
Estado pagou no ano passado 59 milhões de euros a advogados em apoio judiciário
Nos últimos seis anos, o Estado desembolsou perto de 330 milhões para garantir um advogado a quem não tem condições económicas. Pagamentos estão a ser feitos com pouco atraso, mas ainda há pro
Metade das ofertas de emprego são recusadas por salário baixo
Este ano, apenas 71% dos trabalhadores consideram mudar de emprego, o valor mais baixo de sempre.
Ministra admite haver uma
A ministra da Justiça admitiu hoje que há uma "má relação" entre os cidadãos e a justiça e que a asfixia dos tribunais está em vias de perder a atualidade.
Apostadores de poker online podem jogar com França, Espanha e Itália
Os reguladores de jogos português, francês, espanhol e italiano assinaram quinta-feira um acordo para reforçar a cooperação e troca de informações, permitindo assim "liquidez partilhada" no poker online.
 Deve o Tribunal Constitucional ter prazos para decidir?
Numa altura em que o país aguarda por uma decisão do Tribunal sobre o Orçamento do Estado, o conselheiro jubilado Guilherme da Fonseca diz que os juízes sentem a pressão.
Governo dá instruções aos serviços para que mantenham corte no subsídio de férias
Orçamento para 2013 “não prevê os meios necessários e suficientes para garantir” o cumprimento do acórdão do Tribunal Constitucional.
Avaliação de desempenho será primeiro critério para despedir
Selecção de funcionários dispensados por extinção de postos de trabalho passa a obedecer a uma ordem de critérios.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro