facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Julgamento dos 226 detidos no dia da greve geral foi adiado

justicaTodos serão julgados no mesmo dia, 12 de Julho, às 9h30.

O Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa adiou, nesta sexta-feira, o julgamento dos 226 detidos no dia da greve geral, acusados de terem tentado cortar o acesso à Ponte 25 de Abril, em Lisboa.

"Querem fazer um processo uno e sumário", explica o presidente do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, Vasco Marques Correia, à porta do tribunal, que dificilmente reuniria condições, em tão poucas horas, para julgar tantas pessoas.

Os 226 notificados junto ao bairro de Vale Flor, no acesso à Ponte 25 de Abril, compareceram nesse tribunal na manhã desta sexta-feira, com um folha de papel na mão e muitas incertezas.

No dia da greve geral, dizem, tinham ficado até às 2h30 à espera de serem notificados, numa barreira imposta pela PSP, sem água nem comida.

Em declarações à Lusa, o advogado Garcia Pereira criticou a actuação da polícia. "O que temos aqui é uma coisa muito grave, que é a realização de ficheiros políticos com dados de activistas sociais que vão a manifestações. Algo que está proibido desde o 25 de Abril [de 1974]", disse aos jornalistas, junto do tribunal.

A Ordem dos Advogados decidiu dar apoio jurídico, através do Conselho Distrital de Lisboa, aos manifestantes que foram constituídos arguidos e acusados do crime de atentado à segurança de transporte rodoviário (artigo 290º do Código Penal), punido com pena de prisão de um a cinco anos.

PSP "actuou como devia ter actuado"

Questionado nesta sexta-feira sobre a actuação da polícia neste caso, o ministro da Administração Interna considera que a PSP “actuou como deveria ter actuado”.

“É muito grave um conjunto de pessoas cercear a liberdade de circulação dos outros cidadãos, razão pela qual, nos termos da lei, a polícia actuou como deveria ter actuado, procedendo à identificação e à notificação dessas pessoas da situação que ali foi gerada”, defendeu, citado pela agência Lusa.

Miguel Macedo, que falava em Portalegre, à margem de uma cerimónia no Centro de Formação da GNR, reforçou que “havia uma situação que enquadrava um crime que está previsto no Código Penal" e que "agora o resto é com os tribunais”.

in Público | 28-06-2013

Também com interesse
Saiba tudo o que muda hoje nos tribunais
Simplificar e desformalizar os processos cíveis é o objectivo do Governo.
Governo bate recorde em gastos com escritórios de advogados
Os cortes nas despesas do Estado não são para todos. Ou melhor, não são em todas as rubricas. Há pelo menos uma em que as despesas não só não estão a diminuir como até têm vindo a aumentar.
Anunciar arrendamento ou venda de casa que não tenha certificado energético vai dar multa pesada
Saiba o que muda, quando é que a medida entra em vigor e quanto custam os certificados.
Procuradora-geral quer partir mega processos para acelerar acusações
Joana Marques Vidal anuncia prioridades: quer canais de comunicação mais rápidos com polícias estrangeiras para prevenir terrorismo e quer que seja o mesmo procurador a estar na investigação e na fase de julg
60% dos perfis na base de dados de ADN são de criminosos
Conselho de Fiscalização pede ao Governo que crie legislação para poder retirar perfis de condenados assim que a pena deixar de aparecer no registo criminal.
 Ministério da Justiça quer
"Não me parece muito saudável que vivamos numa sociedade em que hoje, objetivamente, há uma multiplicidade de órgãos de polícia criminal e todos possam fazer escutas", afirmou a ministra.
Empresas passam a estar obrigadas a comunicar dados sobre imóveis
A partir deste ano, empresas que fornecem serviços como água, luz, gás ou telecomunicações, estão obrigadas a comunicar à Autoridade Tributária e Aduaneira dados relativos aos imóveis dos
Estado vai pagar 18 milhões devidos pelo apoio judiciário
Valor fica aquém dos 22 milhões reclamados pela Ordem dos Advogados.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro