facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Campanha eleitoral dá lucro aos partidos

eleicoesUma lei prevê que os partidos estão isentos de IVA, mesmo nos gastos para as campanhas eleitorais. O que significa que muitos podem lucrar com as campanhas, quando o valor daquele imposto lhes é devolvido pelo Fisco, avança o Sol. Até hoje, os que mais dinheiro ganharam foram o PS e o Bloco de Esquerda.

A lei de financiamento prevê que os partidos estão isentos do pagamento de IVA, mesmo no que se refere às despesas com as campanhas eleitorais.

A norma vem de 1996, data de um despacho polémico sobre a matéria, e foi reiterada em 2006 pelo então secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que considerou que o direito ao reembolso “abrange o IVA das campanhas eleitorais”, de acordo com a edição online do jornal Sol.

Por isso, todos os anos, os partidos que façam a solicitação e o reporte de gastos recebem, da Autoridade Tributária, o reembolso de 23% do valor despendido em período de campanha.

Tal tem acontecido com o Partido Socialista e com o Bloco de Esquerda, que consideram que este é um direito que lhes assiste.

Questionados pelo Sol sobre a matéria, os bloquistas não quiseram comentar a polémica. Já socialista Miguel Laranjeiro disse que “vai respeitar a lei, como sempre fez”, ou seja, continuar a pedir reembolso do IVA.

Contudo, o secretário-geral do PSD, José Matos Rosa, garantiu que “o PSD entende que só pode pedir o reembolso do IVA nas despesas de gestão corrente do partido e, portanto, nas campanhas eleitorais não o faz nem o pode fazer”. Da mesma forma actua o PCP, de acordo com uma fonte oficial.

O CDS já foi obrigado a devolver verbas do IVA recebidas através do Parlamento. Por isso, o secretário-geral, António Carlos Monteiro, espera que “os critérios sejam aplicados de forma igual para todos, sem excepção”.

Os gastos dos cinco principais partidos em campanha eleitoral, em 2011, rondou os 10,5 milhões de euros, pelo que se todos tivessem pedido reembolso de IVA, o Estado teria desembolsado cerca de dois milhões de euros.

Para a Entidade das Contas, está-se perante duas interpretações diferentes da lei, feitas pelos partidos, que não deveriam receber o reembolso, sob pena de acabarem a lucrar com as campanhas.

in Noticias ao Minuto | 17-10-2013

Também com interesse
Lei de desbloqueamento de telemóveis alvo de incumprimento por operadoras
A lei sobre o desbloqueamento de telemóveis tem mais de três anos mas ainda há "muitos casos" em que a mesma não é cumprida pelos operadores, avisa a DECO que defende um papel "mais activo" da ANACOM.
Juízes optam por dar liberdade em vez da prisão a jovens deliquentes
Menores internados em centros educativos está a descer a pique: de 274 em 2011 são agora 150 . Estudos provam que o encarceramento levou à reincidência.
SOS. Famílias endividadas vão ter mais apoios para não perderem bens
Solução passa por uma negociação judicial em que a maioria dos credores aceita as condições negociadas com os devedores. O acordo é homologado por um juiz de primeira instância.
Registo online do testamento vital até ao fim do mês
Ainda não é possível contabilizar o número de pessoas que adotaram o testamento vital.
Subsídio ao arrendamento e taxa das rendas publicados hoje
O Governo publicou hoje o diploma que estabelece o regime do subsídio ao arrendamento para inquilinos idosos ou com carência financeira e uma portaria que fixa em 6,7% a taxa de cálculo para as rendas condicionadas.
Portugal tem maior lista de paraísos fiscais da Europa
O Governo afirmou esta quinta-feira que "Portugal tem de longe a maior lista de paraísos fiscais da Europa", defendendo que a lista de 'offshores' "deve ser reduzida" e que a estratégia deve privilegiar os acordos de troca de informa&cc
Militares na reserva vão entrar na vigilância das escolas
O Conselho de Ministros aprovou nesta quinta-feira alterações a um diploma que permitem o recrutamento de elementos das Forças Armadas na reserva para vigilância nas zonas escolares.
Quase metade dos portugueses dependem da Segurança Social
Quase metade dos portugueses (4,8 milhões) depende da Segurança Social para viver, um número acima da população empregada (4,5 milhões). São sobretudo pensionistas, a que se somam os desempregados.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro