facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Aprovada lista de fármacos que dependem de notificação prévia para exportação

medicamentoA autoridade que regula o sector do medicamento aprovou uma lista de fármacos cuja exportação ou distribuição dependem de uma notificação prévia, medida que visa impedir que os doentes portugueses sejam privados das terapêuticas adequadas.

De acordo com uma deliberação publicada hoje em Diário da República, "a exportação e distribuição de medicamentos para outros Estados membros da União Europeia é uma actividade" que tem "o adequado acolhimento legal quando exercida por fabricantes ou distribuidores por grosso de medicamentos autorizados".

Ainda assim, "é susceptível de criar constrangimentos ao normal e regular abastecimento do mercado nacional, privando os doentes portugueses das terapêuticas adequadas".

Para evitar tais constrangimentos, o Infarmed aprovou uma lista de medicamentos cuja exportação ou distribuição para outros Estados membros da União Europeia, e respectivas quantidades, dependem de prévia notificação a este organismo pelo distribuidor.

Trata-se de uma lista que é revista pelo Infarmed "de acordo com critérios de adequação e necessidade, em ordem a garantir a salvaguarda da saúde pública pelo acesso ao medicamento por parte dos cidadãos".

Esta deliberação entra em vigor quinta-feira, embora tenha sido definido um período transitório de adequação que vigorará até ao dia 31 de Dezembro.

Na terça-feira, o Diário da República publicou outra deliberação do Infarmed que definiu uma série de procedimentos para evitar os constrangimentos no abastecimento e acesso que se têm registado nos últimos tempos.

Este reforço dos mecanismos de monitorização no circuito do medicamento visa garantir "uma avaliação sistemática do regular abastecimento do mercado de acordo com as necessidades dos doentes".

Os laboratórios, grossistas e distribuidores vão ter de comunicar mensalmente ao Infarmed as quantidades de medicamentos incluídos numa lista que tenham vendido a cada distribuidor, a cada farmácia, exportados ou que sejam objecto de comércio intracomunitário.

Por seu lado, as farmácias ficam obrigadas a comunicar mensalmente ao mesmo organismo as quantidades de medicamentos incluídos numa lista e que tenham dispensado.

in SOL | 06-11-2013

Também com interesse
Parlamento aprova prioridades da política criminal até 2019
Cibercriminalidade, violência doméstica, roubos de caixas multibanco, criminalidade em ambiente escolar, violência no desporto e furto de oportunidade a turistas são algumas das prioridades do Governo.
Privacidade em risco nas conservatórias dos registos
O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado promove esta segunda-feira visitas guiadas para denunciar algumas destas situações. E convidou deputados.
Retrato das prisões. A cada dia que passa, 30 criminosos vão para a cadeia
População prisional ultrapassou em 2012 os 13 mil detidos. Desde 2004 que o recorde não era superado.
Discotecas com mais de 100 lugares obrigadas a instalar videovigilância até Março
A gravação de imagens é obrigatória desde a abertura até ao encerramento do estabelecimento. As imagens devem ser conservadas pelo prazo de 30 dias contados desde a respectiva captação e depois destruídas.
Credores já podem recuperar o IVA nas cobranças duvidosas
Quem tinha facturas de Janeiro de 2013 ainda pode efectuar o pedido de regularização ao Fisco até esta sexta-feira, 31 de Julho. Dessa forma, apesar de a factura nunca ter sido paga, poderá recuperar o IVA já entreg
Criminalidade violenta diminuiu 12,6% nos primeiros seis meses deste ano
A criminalidade violenta diminuiu 12,6% nos primeiros seis meses deste ano face ao mesmo período do ano passado, anunciou na tarde desta segunda-feira a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, no Parl
Falta de procura encerra 16 cursos no ensino superior no próximo ano lectivo
Quase metade dos cursos não pode aumentar vagas por ter índice de desemprego superior à média.
Governo sugere que deputados alterem a lei
O Governo considerou esta quarta-feira que a lei que assegura um lugar no Estado aos agentes dos serviços de informações é da responsabilidade do parlamento e sugeriu aos deputados que discordam dela que a alterem.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro