facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Dívidas fiscais paradas nos tribunais crescem 400 milhões

processos tribunaisEquipas especiais conseguiram resolver 416 milhões de euros entre Janeiro e Março deste ano mas no mesmo período entraram litígios num total de 831 milhões. Valor parado ascende a 6,6 mil milhões.

É caso para dizer que a Justiça tapa, por um lado, e as Finanças destapam por outro. As equipas especiais criadas pelo Ministério da Justiça - sob pressão da ‘troika' - para resolverem os processos fiscais acima de um milhão de euros parados nos tribunais não estão a ter sucesso. Isto porque à medida que vão resolvendo litígios das grandes empresas - autores ou réus destes conflitos de grande valor - um número maior de processos, muitas vezes respeitantes a dívidas maiores, vão entrando nos tribunais. Esta tendência já se desenha desde o ano passado e voltou a repetir-se nos primeiros três meses deste ano, em que o valor das dívidas fiscais paradas nos tribunais subiu 7%, as pendências aumentarem e o valor dos processos entrados foi o dobro daquele que tinha sido resolvido. No total, a 31 de Março deste ano, estavam parados 6,6 mil milhões de euros, mais 400 milhões que os 6,2 registados a 1 de Janeiro do mesmo ano.


De acordo com o último relatório do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais (CSTAF), a que o Diário Económico teve acesso e que já foi mostrado à ‘troika', nos primeiros três meses deste ano as duas equipas especiais de juízes conseguiram resolver 175 processos. Acontece que apenas 94 transitaram em julgado, isto é, ficaram efectivamente fechados (correspondem aos tais 416 milhões de euros). Os restantes foram alvo de recursos para tribunais superiores. Aliás, o relatório mostra que as pendências estão a subir substancialmente nestes tribunais superiores. O mesmo documento mostra que, em contrapartida, entraram nos tribunais no mesmo período 176 novas acções, que totalizam 831 milhões de euros em dívidas fiscais. Os advogados explicam que este aumento de processos deve-se ao facto de a máquina fiscal estar mais agressiva contra as dívidas de grandes empresas e de estas, por sua vez, reagirem, também, mais vezes contra o que entendem ser irregularidades do fisco.

in Económico | 04-09-2013 | Inês David Bastos

Também com interesse
Presidente da República promulga lei que regula destino de embriões, espermatozoides e ovócitos congelados
O Presidente da República promulgou esta terça-feira, embora deixando reparos, o diploma do parlamento que regula a conservação e destruição de embriões, espermatozoides e ovócitos congelados pa
Se tem filhos pequenos, saiba que direitos vai passar a ter
A discussão sobre os incentivos à natalidade permitiu aprovar novos direitos para trabalhadores com filhos menores, apesar de a maioria ter enterrado a esmagadora maioria das proposta da oposição. Muitas das que conseguira
O que vai mudar na lei laboral para quem tem filhos?
Há mudanças para quem tem filhos na relação laboral, quer na possibilidade de fazer teletrabalho quer nas licenças parentais. O Negócios resume as alterações.
Novos Estatutos: Ordem dos Advogados mantém as 198 delegações concelhias
Em vez das 23 delegações que o Ministério da Justiça tinha proposto, para acertar o passo com as comarcas do Mapa Judiciário, o novo Estatuto da Ordem dos Advogados, aprovado esta quarta-feira no Parlamento, mant&ea
Via Verde lança portal para regularizar dívidas de portagens
A Via Verde acaba de lançar o portal "Pagamento de Portagens" que permite a regularização de dívidas de portagens por clientes nacionais ou estrangeiros antes daquelas chegarem à Autoridade Tributária, evitan
 Governo vai proibir 158 substâncias psicoactivas vendidas nas
Todas as semanas surgem novas drogas e só este ano seis pessoas morreram devido ao consumo de substâncias psicoactivas. O Governo vai lançar acções de informação junto das escolas.
Extinção do IMT começa em 2017 com redução em um terço
As taxas do Imposto Municipal sobre a Transmissão de Imóveis (IMT) serão reduzidas em um terço em 2017 e em dois terços em 2018, o que culminará com a extinção deste imposto, segundo a lei publi
Deco diz que lei pode levar operadores de telecomunicações a cobrar custos de instalação
Associação de Defesa do Consumidor garante que, caso os clientes queiram rescindir contratos nos primeiros 14 dias, as empresas estarão a preparar-se para cobrar até 200 euros.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro