facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Sindicato dos Oficiais de Justiça pedem demissão da ministra da Justiça

paulateixeiracruzO Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) pediu hoje a demissão da ministra da Justiça, alegando haver uma "degradação progressiva da Justiça" e desrespeito pelos "tribunais e os seus profissionais".

Em comunicado, o SOJ referiu que "a Justiça exige governantes com sentido de Estado que respeitem o Órgão de Soberania 'tribunais' e os seus profissionais".

"Os tribunais funcionam sem condições (faltam oficiais de justiça, equipamentos, actualização de programas informáticos... até motivação), mas a senhora ministra da Justiça entende estar tudo bem e, se responsabilidade há, é sempre do Ministério das Finanças", notou o SOJ.

Reclamando "sentido de Estado" aos governantes, o sindicato sublinhou a "enorme preocupação" com o estado da Justiça e considerou "inaceitável que o Ministério da Justiça mantenha o silêncio, perante a campanha que se instalou contra o Tribunal Constitucional".

"Por outro, é lamentável que a senhora ministra da Justiça se tenha pronunciado nos termos em que o fez, por exemplo, antes do Tribunal Constitucional se pronunciar sobre a inconstitucionalidade de algumas normas na criminalização do enriquecimento ilícito", pode ler-se no documento.

O SOJ entendeu que é igualmente "inaceitável" que a ministra da Justiça afirme, publicamente, "ter deixado de pagar horas extraordinárias aos oficiais de justiça, sabendo perfeitamente que essa sua afirmação não era verdadeira, pelo simples facto de nunca terem sido pagas quaisquer horas extraordinárias aos oficiais de justiça".

Manifestando-se receptivo a discutir a política da Justiça, a estrutura representativa dos oficiais de justiça criticou ainda o ministério no que se refere ao alargamento do horário de 25 para 40 horas semanais.

O SOJ acusou o ministério de "algum desrespeito pelas decisões dos tribunais, atrasando a sua execução", que, acentuou, "demonstra de forma clara que o Ministério da Justiça não respeita as decisões dos tribunais, insistindo na violação da lei".

in SOL | 31-10-2013 |

Também com interesse
Taxas máximas nos cartões de crédito renovam mínimo histórico
Pelo décimo trimestre consecutivo, as taxas máximas a aplicar nos cartões de crédito vão recuar a partir de 1 de Julho, revelou o Banco de Portugal.
Lei do tabaco vai proibir fumo em todos os bares, restaurantes e discotecas
A legislação só será aprovada em 2014, anunciou Leal da Costa. Comerciantes terão período de transição e sabores vão ser eliminados.
Ministra nega encerramento de quase 50 tribunais
A ministra da Justiça disse hoje que o decreto sobre o encerramento dos tribunais não está fechado e deixou implícito que o número de organismos a fechar será inferior a 30.
Ministra da Justiça diz que tribunais administrativos e fiscais não deviam estar juntos
Paula Teixeira da Cruz, ministra da Justiça, considerou que a reforma do Estado deve repensar a organização dos tribunais, já que, no seu entender, os tribunais administrativos e fiscais não devem estar juntos. A proposta de alteração ao Códi
Desempregados queixam-se do IEFP ao Provedor de Justiça
Inscrições anuladas por falta de resposta a controlo postal impedem mesmo os que já não recebem qualquer subsídio de aceder a programas de emprego e estágio.
Dirigentes indicam até final do mês funcionários públicos que vão sair
Os serviços da Administração Pública têm até 26 de Agosto para informar a DGO sobre quantos funcionários vão sair por aposentação, mobilidade e através do plano de rescisões.
Empresas obrigadas a atribuir horário flexível a mães e pais
Quase 90% dos pareceres da Comissão para a Igualdade no Trabalho são favoráveis ao trabalhador. Aumentam pedidos de pais.
Parlamento recomenda recuo do Governo na subconcessão dos transportes de Lisboa e Porto
A Assembleia da República (AR) recomendou ao Governo que recue no processo de subconcessão das empresas de transporte público de Lisboa e do Porto lançado pelo Executivo de Passos Coelho, segundo dois diplomas publicados

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro