facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Sindicato dos Oficiais de Justiça pedem demissão da ministra da Justiça

paulateixeiracruzO Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) pediu hoje a demissão da ministra da Justiça, alegando haver uma "degradação progressiva da Justiça" e desrespeito pelos "tribunais e os seus profissionais".

Em comunicado, o SOJ referiu que "a Justiça exige governantes com sentido de Estado que respeitem o Órgão de Soberania 'tribunais' e os seus profissionais".

"Os tribunais funcionam sem condições (faltam oficiais de justiça, equipamentos, actualização de programas informáticos... até motivação), mas a senhora ministra da Justiça entende estar tudo bem e, se responsabilidade há, é sempre do Ministério das Finanças", notou o SOJ.

Reclamando "sentido de Estado" aos governantes, o sindicato sublinhou a "enorme preocupação" com o estado da Justiça e considerou "inaceitável que o Ministério da Justiça mantenha o silêncio, perante a campanha que se instalou contra o Tribunal Constitucional".

"Por outro, é lamentável que a senhora ministra da Justiça se tenha pronunciado nos termos em que o fez, por exemplo, antes do Tribunal Constitucional se pronunciar sobre a inconstitucionalidade de algumas normas na criminalização do enriquecimento ilícito", pode ler-se no documento.

O SOJ entendeu que é igualmente "inaceitável" que a ministra da Justiça afirme, publicamente, "ter deixado de pagar horas extraordinárias aos oficiais de justiça, sabendo perfeitamente que essa sua afirmação não era verdadeira, pelo simples facto de nunca terem sido pagas quaisquer horas extraordinárias aos oficiais de justiça".

Manifestando-se receptivo a discutir a política da Justiça, a estrutura representativa dos oficiais de justiça criticou ainda o ministério no que se refere ao alargamento do horário de 25 para 40 horas semanais.

O SOJ acusou o ministério de "algum desrespeito pelas decisões dos tribunais, atrasando a sua execução", que, acentuou, "demonstra de forma clara que o Ministério da Justiça não respeita as decisões dos tribunais, insistindo na violação da lei".

in SOL | 31-10-2013 |

Também com interesse
Suplementos na Função Pública: Serviços têm dois meses para definir quem recebe o quê
Promulgado ontem, 4 de Fevereiro, pelo Presidente da República, o decreto-lei que enquadra a revisão de suplementos da Administração Pública foi hoje publicado em Diário da República. Os serviços têm agora 60 dias para aplicar os novos crit
Condutores passam a ser notificados das multas de trânsito cometidas na UE
Esta proposta de lei permite identificar e notificar o proprietário do veículo registado num país da UE e que cometeu infracções rodoviárias em outro Estado-membro.
Bastonária alerta para
A bastonária da Ordem dos Advogados alertou, esta sexta-feira, para o "colapso judicial" resultante da redução do número de juízes por causa da reorganização judiciária, com 23 comarcas, que entra em vigor a partir de 1 de setembro.
Diploma sobre
Entra em vigor o diploma que estabelece as regras e os deveres de transparência em campanhas de publicidade institucional, estando assegurado que RTP, RDP e Lusa poderão realizar as mesmas, apesar de serem órgãos detidos ma
Dívidas ao Fisco e à Segurança Social ficam um pouco mais baratas
A taxa de juro de mora de dívidas ao Estado e outras entidades públicas para vigorar em 2016 foi fixada em 5,168% pelo IGCP.
Fundo de Garantia Salarial aberto a trabalhadores de empresas em recuperação
Os trabalhadores de empresas insolventes em programa de recuperação vão passar a poder recorrer ao Fundo de Garantia Salarial, segundo um diploma hoje aprovado em Conselho de Ministros.
Tribunal europeu considera justificado uso de câmaras escondidas por jornalistas
Decisão inédita surge em resposta ao caso de quatro jornalistas suíços condenados no seu país por terem recorrido a câmaras ocultas numa reportagem televisiva.
Juízes consideram que registo de abusadores de menores viola a Constituição
Magistrados classificam a proposta de "populista, demagógica e perigosa". Ex-Presidente da República, Jorge Sampaio, já tinha criticado a lista por significar um regresso à "justiça de apedrejamento".

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro