facebookrssyoutubetwitter

INFOJUS

LEGISLAÇÃO

ÚTIL

Noticias

Sindicato dos Oficiais de Justiça pedem demissão da ministra da Justiça

paulateixeiracruzO Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) pediu hoje a demissão da ministra da Justiça, alegando haver uma "degradação progressiva da Justiça" e desrespeito pelos "tribunais e os seus profissionais".

Em comunicado, o SOJ referiu que "a Justiça exige governantes com sentido de Estado que respeitem o Órgão de Soberania 'tribunais' e os seus profissionais".

"Os tribunais funcionam sem condições (faltam oficiais de justiça, equipamentos, actualização de programas informáticos... até motivação), mas a senhora ministra da Justiça entende estar tudo bem e, se responsabilidade há, é sempre do Ministério das Finanças", notou o SOJ.

Reclamando "sentido de Estado" aos governantes, o sindicato sublinhou a "enorme preocupação" com o estado da Justiça e considerou "inaceitável que o Ministério da Justiça mantenha o silêncio, perante a campanha que se instalou contra o Tribunal Constitucional".

"Por outro, é lamentável que a senhora ministra da Justiça se tenha pronunciado nos termos em que o fez, por exemplo, antes do Tribunal Constitucional se pronunciar sobre a inconstitucionalidade de algumas normas na criminalização do enriquecimento ilícito", pode ler-se no documento.

O SOJ entendeu que é igualmente "inaceitável" que a ministra da Justiça afirme, publicamente, "ter deixado de pagar horas extraordinárias aos oficiais de justiça, sabendo perfeitamente que essa sua afirmação não era verdadeira, pelo simples facto de nunca terem sido pagas quaisquer horas extraordinárias aos oficiais de justiça".

Manifestando-se receptivo a discutir a política da Justiça, a estrutura representativa dos oficiais de justiça criticou ainda o ministério no que se refere ao alargamento do horário de 25 para 40 horas semanais.

O SOJ acusou o ministério de "algum desrespeito pelas decisões dos tribunais, atrasando a sua execução", que, acentuou, "demonstra de forma clara que o Ministério da Justiça não respeita as decisões dos tribunais, insistindo na violação da lei".

in SOL | 31-10-2013 |

Também com interesse
Beneficiários recebem subsídios com cortes a partir de amanhã
Os beneficiários de subsídio de desemprego e de doença que recebem acima do valor mínimo vão ver as suas prestações reduzidas a partir de amanhã.
Idosos que se mudem para casa dos filhos perdem isenção de IMI
Os proprietários de imóveis de baixo valor e com poucos rendimentos que não residam na sua casa nem num lar e que vivam, por exemplo, com filhos, deixam de beneficiar da isenção de IMI.
Governo e Cavaco trabalharam em segredo para salvar o BES
Apesar de o Governo dar a entender que não tem nada a ver com a intervenção no BES, ontem houve conselho de ministros extraordinário para aprovar um decreto lei crucial no salvamento do banco. Paulo Portas e Maria Luís Albuquerque aprovaram, em
Empresas de Segurança querem melhorar lei da formação e combate às más práticas
A Associação de Empresas de Segurança (AES) vai pedir sexta-feira ao Governo que melhore a lei da formação profissional do sector e que ajude a combater as más práticas de algumas empresas de vigil&aci
Amadeu Guerra é hoje aprovado como novo director do DCIAP
O nome escolhido por Joana Marques Vidal vai hoje a votação do Conselho Superior do Ministério Público e deverá ser aprovado.
MP pode alterar responsabilidades parentais em casos de violência doméstica
O Ministério Público vai poder requerer, no prazo máximo de 48 horas, a regulação ou alteração das responsabilidades parentais quando um dos pais tenha sido condenado em situações de viol
Polícia criminal e MP com dados partilhados
A Procuradora-geral da República apresenta hoje a Plataforma para o Intercâmbio de Informação Criminal (PIIC), cuja rede eletrónica, destinada à prevenção e investigação criminal, permite a partilha de dados entre os órgãos de polícia cr
Taxas máximas no crédito ao consumo vão subir ligeiramente
O Banco de Portugal passou a estabelecer no final de 2010 as taxas de juro máximas aplicáveis aos contratos de crédito ao consumo para combater práticas de usura.

collex debates discursos lexpoint vida economicaupt parceiro